O conde Futreson

O conde FutresonVamos dar a palavra a João Carlos Marinho. Diz ele: “Desde criança sou apaixonado pelo conde Drácula. Quando ia assistir a um filme de terror e não sentia muito medo eu achava que tinha sido roubado.

Múmias, lobisomens e almas penadas sempre achei inconvincentes, pouco interessantes e nada assustadores. Só o Drácula me metia medo, eu me virava na poltrona, enfiava a unha.

O conde é inteligentíssimo. Culto. Filosofia, música, artes, sua cabeça abrange tudo. Sabe manter a tranquilidade e frequenta a sociedade com o desembaraço de um grande senhor.

Este relacionamento que o Drácula cria com a sociedade e suas qualidades intelectuais dão margem a um desdobramento do clima do medo inacessível a outros monstros. A não ser que se queira fazer uma caricatura do Drácula, misturando dentes, sangue e castelos, a complexidade do personagem torna muito difícil fazer uma história onde ele apresente as suas qualidades e sua dignidade. Por isso demorei tanto para escrever um livro em que o conde enfrenta a turma do gordo”.

O conde saiu como o autor queria, tornando difícil e quase impossível a luta da turma do gordo contra ele, num clima de suspense em que o leitor não consegue desgrudar do livro. Neste texto, o autor explica como foi o processo criativo do livro.

Informações sobre o livro

. Ilustrações: Mauricio Negro
. Formatos do conteúdo: físico e digital
. Formato: 16 cm × 23 cm
. Edição: 9ª; 3ª reimpressão
. Número de páginas: 152
. ISBN: 978-85-260-1394-0

Altamente Recomendável para o Jovem 1994 (FNLIJ)

0 Shares:
Veja também

El genio del crimen

Irresistible clásico de la literatura juvenil brasileña, esta novela de aventuras, de la que se han vendido más…

Cascata de cuspe

Um grupo de meninos de rua assalta o gordo. Rouba-lhe o dinheiro, o blusão e o par de…

Três homens e uma canoa

João Carlos Marinho fez esta tradução/adaptação destinada ao público infantojuvenil do imortal best-seller de Jerome K. Jerome (Three…